Greve dos médicos peritos do INSS prejudica cidadãos em Piracicaba.

Greve já passa dos cem dias na cidade do interior de São Paulo.

Imagine um cidadão brasileiro que sofre um acidente ou algum tipo de acontecido que o deixa impossibilitado de voltar ao trabalho ou regularizar seu pedido de aposentadoria. Isso é algo desconfortável e um problema não só para a família quanto para o ator do acontecido. O pior não é isso! Há uma fila de cidadãos em uma cidade de São Paulo que necessitam de laudos da perícia, já deveriam ter retomado suas funções ou se aposentar, mas a greve dos peritos não tem data prevista de acabar.

Isso acontece na cidade de Piracicaba, interior de São Paulo, uma paralisação que já ultrapassa cem dias e prejudica inúmeros cidadãos devido a impasses de médicos peritos com os órgãos responsáveis por reajustes e melhorias. Dentre essas alterações estão a regulamentação  da profissão, reajuste salarial e mudança nos turnos de trabalho. Há uma defasagem de mais de 20% de acordo com os peritos.

Confira a Tabela do INSS de 2016

Já para o morador conseguir o auxílio doença no município, a média de atendimento é na faixa dos três meses. Os funcionários da agência do INSS na cidade de Piracicaba já tinham aderido à greve nacional no dia 14 de julho permanecendo até 1º de outubro, o que também contribuiu para o atraso nos serviços e na burocracia.

A greve dos médicos  peritos do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) de Piracicaba que começou no dia 4 de setembro se prolonga e já completa seis meses. Em matéria divulgada no www.g1.com.br, relatos de cidadãos são de que mesmo tentando entrar em contato com o Benefício INSS pelo número 135, nada se resolve e sequer uma data é informada da volta dos peritos ao trabalho.

O INSS informou que vai trabalhar para a retomada completa do serviço, mas ainda sem uma data prevista. O órgão esclarece que a central de atendimento está à disposição para informar a situação do atendimento nas Agências, adotar providências de reagendamento dos serviços e para orientar os cidadãos.

No Responses

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *